Que estejamos alertas e disponíveis para caminhar ao lado de Cristo

Já vimos que o Corpus Christi é uma solenidade da Igreja Católica que celebra a presença viva e real de Cristo na Eucaristia. Cabe a nós, agora, refletirmos sobre este Jesus que não fica preso em um templo, mas que sai às ruas, coloca-se a caminho, ao encontro de todos aqueles que estão de coração aberto para recebê-lo.

A hóstia consagrada é uma das formas de termos um contato direto com o Cristo; existem, porém, outras formas vivas. Cito, dos exemplos, o mais claro! Em certa passagem bíblica, Jesus afirma que esteve com fome, sede, estava nu, preso, era estrangeiro, e estava doente, porém nenhum daqueles que estavam a sua esquerda haviam feito nada por ele. Aquelas pessoas atônitas, sem saber qual momento haviam se deparado com Jesus em suas vidas e cometido o erro de não ampará-lo, lhe perguntam: “Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?” (Mateus 25:44) , então Jesus responde: “Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.” (Mateus 25:45)

O Corpus Christi é um momento para refletirmos nossas ações espirituais e sociais. É um momento para voltarmos nosso coração a Cristo que está presente na Eucaristia, em um belo ostensório dourado, mas também no Cristo presente naqueles pequeninos que passam fome, frio, que são injustiçados, naqueles estrangeiros tão julgados que buscam sobreviver, muitas vezes fugindo de seus países devastados pela guerra.

Estar ao lado de Cristo não é fácil! Não podemos demonstrar surpresa diante de uma possível indagação de Jesus: Aonde você estava quando precisei de ti? Que estejamos alertas e disponíveis para caminhar ao lado de Cristo e ao lado dos preferidos Dele, suas ovelhas mais frágeis, que requerem mais atenção, os pequeninos! Que Cristo nos dê força através de sua presença na Eucaristia, que nós sejamos sustento e amparo àqueles que necessitam, sendo também o pão que enche as mesas e sacia a fome.

Diego Garcia
Agente de Pastoral Escolar do Colégio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *