30 de julho – Dia Internacional da Amizade

A vida é um vale de lágrimas! Essas palavras contidas na oração da Salve Rainha não tornam o Cristianismo pessimista e negativo, mas demonstram que o mesmo não compartilha de uma visão ingênua nem alheia aos angustiantes sofrimentos da humanidade.

Frequentemente se sobressaem nas relações cotidianas sentimentos de dor, tédio, cansaço, tristeza e angústia, e a impressão que fica é a impossibilidade de evitá-los. Schopenhauer, filósofo alemão do século XIX, dizia que “A vida oscila, como um pêndulo, de um lado para o outro, entre a dor e o tédio”. Já Camus, romancista e filósofo francês, afirmava que o mundo é absurdo, pois há um confronto entre o apelo humano, isto é, o que eu espero/desejo e o silêncio irracional do mundo, ou seja, o que ele pode oferecer. Até mesmo Jesus afirmava que a existência sobre a terra não é desprovida de sofrimentos. Disse aos discípulos e a todos que queriam ouvi-lo, que se O quisessem seguir deveriam renunciar a si mesmos, tomar cada um sua Cruz e O seguir. Percebemos que a terra é lugar de alegria penosa, alegria que fere.

Por mais que os momentos não são necessariamente bons, é preciso sobressair-se, caro leitor, chegamos agora onde eu queria chegar! Diante de tal realidade, não nos vemos andando na rua em prantos, gemendo de tristeza e dor, murmurando por nossa triste sina. Nosso Deus nos deu tesouros que iluminam e dão forças para transformar a realidade (tal como fez Madre Teresa de Jesus, nossa fundadora). Nos deu a esperança, os sonhos, a natureza, o riso, o amor, e aquele que pode propiciar tudo isso ao mesmo tempo: o AMIGO!

A amizade transcende as dificuldades, guia-nos ao criador quando estamos distantes, nos convida a colocar os pés na terra, plantar uma árvore, dar o melhor de nós, estudar um pouco mais, tomar um chimarrão, praticar um esporte, compartilhar um alimento, batizar um filho, aconselhar, etc. A amizade não permite desânimos, não permite a busca pelas coisas más, não permite cair sobre nós a solidão. Podemos viver plenamente sem um cônjuge, vemos essa opção feita livremente por padres e irmãs consagradas, porém não podemos viver felizes sem um amigo. A amizade é presença, escuta, partilha, é um ombro amigo para chorar, é um anjo que Deus coloca em nossa vida para encher de luz o vale de lágrimas mencionado no início do texto. Por fim, se você tem oportunidade, como não podemos nos abraçar no momento, olhe nos olhos de seus amigos (as) e diga o quanto você gosta deles! Como diz a canção de Milton Nascimento: “Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração”. Que através das amizades, a vida seja luz e esperança para aqueles que nos cercam! Que a amizade seja a panaceia para toda tristeza e angústia existente neste mundo! Um feliz e abençoado dia do amigo a todos!

Diego Garcia
professor e agente de Pastoral do CNSG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *